Trata-se de um Programa de Bolsas de Investigação, lançado a nível nacional, no âmbito da Cidade e da Arquitectura, entendido como um apoio a jovens na realização de um trabalho inédito de investigação, com a duração de 3 (três) meses, e tendo como objecto de estudo o património arquitectónico dos Municípios a seguir discriminados, de acordo com os princípios  a seguir elencados:

  • Caldas da Rainha
  • Cascais
  • Figueira da Foz
  • Funchal
  • Mação
  • Maia
  • Oliveira de Azeméis
  • Porto
  • Santa Maria da Feira
  • Vila de Rei

 

OBJECTIVOS

Este Programa de Bolsas visa a realização de trabalhos inéditos de investigação que permitam um conhecimento aprofundado sobre o modo como o património arquitectónico do século XX marcou ou “fez cidade” em Portugal.

De forma a dar continuidade aos trabalhos desenvolvidos na edição de 2011/12, o arco temporal a analisar está simbolicamente balizado entre as datas da Implantação da República em 5 de Outubro de 1910 e da Revolução de 25 de Abril de 1974, considerando que os períodos anteriores estão já consideravelmente caracterizados pela historiografia, e que os posteriores não permitem, ainda, o distanciamento histórico necessário a uma consensual avaliação patrimonial.

Pretende-se, naquele arco temporal, que a investigação incida sobre conjuntos de edifícios ou de espaços edificados que se articulem dentro de uma determinada realidade urbana e/ou paisagística, por contiguidade física, ou, embora distanciados, que estabeleçam um itinerário ou circuito de visita de evidente valor cultural para a região – como exemplos: conjuntos de equipamentos sociais, culturais, religiosos, lúdicos ou turísticos; conjuntos industriais ou equipamentos de produção energética; equipamentos e infra-estruturas ligadas ao transporte de pessoas e bens; conjuntos de habitação colectiva que traduzam uma estratégia ou uma política urbana de uma época; ou conjuntos de casas unifamiliares que documentem um período relevante da cultura arquitectónica portuguesa; áreas de reabilitação urbana; entre outros.

Tendo em conta as características de cada cidade, privilegia-se que a realização destes trabalhos de investigação traga contributos para o desenvolvimento cultural, social, ambiental e/ ou económico da própria cidade, através da promoção e valorização do património arquitectónico, atendendo às estratégicas traçadas por cada município envolvido, para o progresso da cidade, ou a conceitos da iniciativa do próprio candidato. Pretende-se, ainda, que os participantes realizem um documento que registe o itinerário/ percurso do(s) objeto(s) alvo do estudo de investigação. Este registo deverá ser representado através de um mapa do município objecto de estudo onde deverão ser assinalados os referidos percursos.